Com relação à administração municipal de Itapagipe, você acha que as ações da oposição:
Ajudam
Atrapalham
Não faz diferença





falecom@openhaus.com.br



22/Out/2015 - 17:36
Luizinho convoca colegas vereadores para ajudar homem obeso

Cassiano Ricardo
Sonho de Toniho é sair do aluguel

Cassiano Ricardo

 

O drama de um morador de Itapagipe foi levado à Câmara Municipal pelo vereador Luiz Leonel Filho, o Luizinho Gordo (PSDB), na reunião do dia 20/10. Antônio Carlos Rosa, 42 anos, pesa 240 quilos. Mora com uma sobrinha, única parente que tem em Itapagipe. Mal consegue andar. Não toma banho de chuveiro porque não cabe no banheiro da casa onde mora, de aluguel. Precisa tomar medicamentos, um deles custa R$ 110,00. A renda de 1 salário mínimo não lhe permite fazer uma dieta que ajude na perda de peso sem comprometer ainda mais sua saúde. Em um ato humanitário, Luizinho pediu ajuda aos colegas de Câmara.

 

A convite do vereador, fui conhecer e conversar com Antônio Carlos Rosa, o Toninho. Conversamos a sós, no começo da noite de ontem (21). Contou-me que é natural de Paulo de Faria (SP). De lá, depois que perdeu os pais, veio para a Vila Coqueiros morar com a sogra de um irmão. Isto há 7 anos. Em dezembro do ano passado, o irmão foi para uma fazenda. Ele resolveu vir para a cidade, morar com a sobrinha e a esposa dela. Os três dividem uma casa na Avenida 9, próximo à rodoviária. “Pagamos R$ 450,00 de aluguel nesta casa”, ele contou.

 

Toninho sempre teve problemas com obesidade. Na juventude chegou a pesar 210 kg, mas, com a ajuda de vizinhos, ainda em Paulo de Faria, só com dieta e exercícios, perdeu 124 kg e chegou a 86 kg. “O açougueiro ajudava, o dono do mercado... aí faziam uma dieta boa para mim e eu emagreci”, explicou. “Mas depois eu ganhei [o peso] tudo de novo”.

 

Recentemente, conseguiu ser enquadrado em um programa para cirurgia de redução de estômago, em uma clínica de Campinas (SP). Para fazer a cirurgia, precisava, antes, perder 140 kg. “Eu tinha a meta de perder ao menos 3,5 kg por semana. A cada 8 dias eu tinha que ir lá me pesar. Se eu faltasse alguma semana ou não atingisse a meta, eu era excluído do programa”, relatou. Desistiu! “Era muito difícil ir lá em Campinas toda semana”, justificou.

 

O excesso de peso dificulta muito a vida de Toninho. Para dormir, teve que pedir autorização da dona da casa para construir uma cama de cimento. Em alguns cômodos da casa ele nem vai, porque não cabe. O banheiro é um deles. Toma banho de mangueira na área de serviço, nos fundos da casa. E na época do frio? “Minha sobrinha pega água do chuveiro com um balde para mim”, ele responde sorrindo.

 

Toninho recebe um salário mínimo do INSS (R$ 788,00). Há sete anos conseguiu o benefício, válido por dez anos.  Daqui a três precisará tentar renová-lo. Com esse dinheiro, precisa ajudar a pagar o aluguel (450,00), comprar medicamento para melhorar a circulação (110,00). Ele também usa outros remédios, para controlar a pressão, por exemplo. “Esses eu consigo no postinho [de saúde]”. O que sobra, vai para a alimentação. “Eu praticamente só almoço”, revela.

 

Qual o sonho de Toninho? Errou quem acha que é fazer uma cirurgia para reduzir o estômago e deixar de ser obeso. Aliás, ele teme a cirurgia. Teme a anestesia geral, na verdade. “Quando eu emagreci [na juventude] eu fiz cirurgia para tirar a pele da barriga. Deveria acordar em 12 horas, mas só acordei depois de 24h”, contou. Para fazer as outras 3 cirurgias para concluir a retirada de pele extra, os médicos exigiram que os pais dele assinassem um termo de responsabilidade. Toninho corria risco de morte. Não fez mais nem uma operação. A pele ficou, o trauma ficou.

 

O sonho de Toninho é uma casa. “Nem precisa ser casa boa não. Um lugar onde eu não precise pagar aluguel”, ressalta. “Também não precisa ser de graça, se for preciso pagar uma prestação baratinha eu pago”, frisou. Foi para isso que Luizinho conclamou os colegas. “Vamos pedir ao prefeito que doe um terreno a ele e ali construir dois cômodos que seja e um banheiro adaptado onde ele possa tomar banho”, sugeriu Luizinho na reunião. “Doou terrenos pra tanta gente, por que não pode doar para ele também?”. A pergunta ficou sem resposta.

 

Ah, é bom que se ressalte, Apesar de não ter uma dieta ideal, Toninho, segundo ele mesmo, não passa necessidade de comida. “O vereador Luizinho sempre me dá um cesta básica. A dona Ledi [assistente social do CRAS], de vez em quando, traz alguma coisa também”, informou. Mas o que ele quer mesmo é a casa. “Sem precisar pagar o aluguel eu vou poder usar o dinheiro para melhorar minha dieta”. Toninho sonha com a casa, mas ele também quer emagrecer, desde que sem cirurgia!