Com relação à administração municipal de Itapagipe, você acha que as ações da oposição:
Ajudam
Atrapalham
Não faz diferença





falecom@openhaus.com.br



31/Out/2013 - 18:36
Pequenos produtores assinam contrato do ‘Minha Casa Minha Vida Rural’, em Itapagipe

Cassiano Ricardo

 

Vinte e sete pequenos produtores rurais de Itapagipe (17) e Campina Verde (10) assinaram na tarde desta quinta-feira, 31/10, o contrato para liberação dos recursos do programa “Minha Casa Minha Vida Rural”. O projeto foi realizado através da Associação Comunitária dos Empreendedores Rurais do Ribeirão do Boi (ACERRP).

 

Cada produtor que se inscreveu no programa terá direito a R$ 28.500,00 para construir uma casa de 48 m² em sua propriedade. A obra será executada pela Construtora Resgate, de Campina Verde-MG.

 

Eduardo Galdino, responsável pela Resgate, explica que as casas serão construídas por etapas, de acordo com a liberação dos recursos pela Caixa: 25% de cada vez. Ele terá 7meses para entregar as 27 unidades prontas.

 

Diferente do projeto MCMV urbano, o beneficiário da zona rural não pagará por todo o empréstimo da CEF (R$ 28,5 mil). Este valor é 96% subsidiado pelo Governo Federal. Ao pequeno produtor, neste caso, caberá o pagamento apenas de 4 parcelas de R$ 285,00 cada, uma a cada ano, totalizando um valor de R$ 1.140,00.

 

Custos

Galdino, que chegou a ser acusado por um produtor rural de tê-lo lesado, além de cobrança indevida para executar o projeto (o caso chegou a ser levado à Câmara Municipal de Itapagipe), explica que o produtor, tem que apresentar todos os documentos exigidos pela CEF.

 

Entre eles matrícula atualizada da propriedade, outorga de água, CAD único, DAP da Emater, entre outros, além do projeto.

 

“O que a minha empresa cobra é a outorga de água (R$ 700,00), que pode ser feita com qualquer empresa, e a elaboração do projeto (R$ 400,00), porque temos custos de viagens, documentos, entre outras coisas”, explicou.

 

Dois produtores contemplados ouvidos pela nossa reportagem julgaram justa a cobrança. “Nós não tivemos que correr atrás e nada. Ele foi atrás de tudo”, disse um. “O cara também tem que ganhar para trabalhar, ninguém trabalha de graça”, emendou outro.

 

O projeto da ACERRP foi realizado através da agência CEF de Campina Verde, porque, segundo os diretores da Associação dos produtores do Ribeirão do Boi, não houve interesse da agência de Itapagipe pelo projeto.